Quinta-feira, Julho 25, 2024
spot_img
spot_img
spot_img
InícioNotíciasTrabalhadores de empresa de construção queixam-se de "humilhação, maus-tratos, salários em atraso...

Trabalhadores de empresa de construção queixam-se de “humilhação, maus-tratos, salários em atraso e despedimentos injustos” – Proprietário da ERMSIL recusa falar e remete para advogado

Vários funcionários e ex-funcionários da ERMSIL, Lda, empresa de construção civil, há nove anos no mercado, queixam-se de maus-tratos, humilhação, excesso de horário de trabalho, salários em atraso e despedimentos injustos por parte do proprietário da empresa, Adão Ventura, que não aceitou prestar declarações sobre o assunto à imprensa.

Os funcionários dizem que estão há três meses sem receber salários e que são despedidos apenas por reivindicarem direitos.

A ERMSIL, que tem o maior número de funcionários a trabalhar na construção de dois edifícios, no Grupo Boavida, é ainda acusada de não indemnizar os funcionários despedidos “injustamente”.

Vários foram os trabalhadores, entre actuais e ex-funcionários, que denunciaram agressões verbais e maus-tratos por parte do proprietário da empresa.

Segundo os queixosos, actualmente não existem na empresa trabalhadores com mais de seis meses de casa devido aos constantes despedimentos de funcionários e também de pedidos de demissão por conta das agressões verbais.

Uma antiga trabalhadora administrativa contou que não existem funcionários na ERMSIL com mais de um ano de casa.

Uma outra disse não considerar normais as constantes expulsões de funcionários, acrescentando que já não há trabalhadores do tempo da fundação da empresa, com excepção do proprietário.

Os visados, que solicitaram anonimato, asseguram que são maltratados e agredidos verbalmente com bastantes ofensas pelo proprietário.

Um engenheiro da empresa, que se juntou ao grupo dos denunciantes, assegurou ser maltratado e destratado por tentar aconselhar o padrão numa das obras da empresa no Zango.

“Fui destratado e muito ofendido por falar de algo que era feito erradamente numa das obras da empresa, no Zango”, contou.

Até jovens, prosseguiu este engenheiro, estudantes finalistas do Instituto Politécnico Industrial de Luanda (IPIL) “Makarenko”, que estiveram apenas na empresa para ter contacto com a realidade laboral, “foram explorados e expulsos por reclamarem da carga horária e do excesso de trabalho”.

Na semana passada, contaram os denunciantes, oito trabalhadores da empresa no Grupo Boavida demitiram-se por conta dos maus-tratos.

“Somos destratados, ofendidos, explorados e desrespeitados pelo padrão, o senhor Adão Ventura, sempre com ameaças de despedimentos para quem se atrever a reivindicar”, contam.

Uma senhora de 42 anos, que se juntou ao grupo, contou que foi despedida por pedir ao dono da empresa dinheiro para o táxi.

“Por pedir 1.000 kwanzas para o táxi fui despedida da empresa com um mês de salário em atraso”, desabafou a mulher, que diz não ter sido paga até agora.

Os funcionários acusam o dono da empresa de despedir sempre trabalhadores no final de cada mês e de não aceitar pagar os dias trabalhados.

“Nunca despede funcionário no princípio do mês, só no fim. E quando lhe é cobrado o valor dos dias trabalhados, manda-nos ir queixar onde quisermos”, afirmam os visados.

Dois funcionários, que no mês de Julho se demitiram, dizem ter chorado muito por conta das ofensas e agressões verbais e físicas que receberam do proprietário da ERMSIL.

“Como é possível numa empresa a folha de salário dos funcionários fechar no dia 30 de cada mês? Onde é que se vê isso?”, interrogam-se os trabalhadores que também se queixam da carga de 12 horas de trabalho, ao invés das oito estipuladas por Lei.

Outro contou que foi agredido verbalmente e destratado por pedir ajuda ao padrão quando um dos seus filhos ficou gravemente doente.

“Como tínhamos um mês de salário atrasado, como pai, não tive dinheiro para a compra de medicamentos para o meu filho, e fui ao padrão pedir, mas fui infelizmente humilhado e ofendido, por isso, demiti-me”, disse.

Vários ex-estagiários e engenheiros civis contaram à imprensa que deixaram a empresa por maus-tratos.

Sobre as queixas e reclamações dos funcionários e ex-funcionários, à imprensa contactou o proprietário da ERMSIL, Adão Ventura, referenciado na matéria, para o devido esclarecimento, mas este responsável recusou-se a fazê-lo, dizendo que contactássemos o seu advogado.

A ERMSIL TRADING LDA é uma empresa de construção civil criada em Junho de 2014, e tem como sócios Adão Manuel Ventura e Ermelinda da Silva Mendes Ventura.

Actualmente a empresa é responsável pela construção de dois edifícios no Grupo Boavida.

Fonte; NJ

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE-spot_img
0FãsCurtir
SeguidoresSeguir

MAIS LIDAS