Domingo, Julho 14, 2024
spot_img
spot_img
spot_img
InícioEconomiaPescadores artesanais agastados com avultadas despesas sem retorno

Pescadores artesanais agastados com avultadas despesas sem retorno

Pescadores artesanais do Lobito, província de Benguela, mostram-se agastados com os avultados gastos com obrigações fiscais e equipamentos de trabalho, sem retorno nas vendas do peixe, soube à imprensa na passada segunda feira.

O  mestre Honório Andrade afirmou à imprensa que um armador chega a gastar acima de 200 mil kwanzas,  com o pagamento fiscal de 33 mil Kz, se for barco de pesca na malhadeira, 53 mil Kz de for de rapa, 33 mil Kz para a Capitania, oito mil Kz para cada pescador (há barcos que levam dez marinheiros), acrescendo as despesas com o material de pesca.

Realçou ainda a obrigatoriedade do pagamento do Imposto sobre Veículos Motorizados (IVM),  cobrados pela a Administração Geral Tributária. Este imposto substituiu a taxa de circulação e agora também é aplicado ao sector marítimo e aéreo.

“Actualmente capturamos apenas 150 a 200 quilos de peixe, contra as quatro ou cinco toneladas que trazíamos há alguns anos atrás,  e as vendas não correspondem aos gastos que efectuamos”, desabafou.

Para superar essas dificuldades, Honório Andrade revelou que os pescadores são obrigados a ultrapassar as cinco milhas permitidas pela Capitania, em  busca do peixe que é localizado entre as oito a dez milhas.

“Várias vezes viajamos até a zona do Sumbe, Cuanza Sul, ou a Lucira, Namibe, por ser ali onde conseguimos localizar algum peixe, como corvina, cachucho, carapau e outros, mesmo correndo os riscos causados pelo mar”, explicou.

Por sua vez, o armador Albino Firmino afirmou que mesmo com um investimento de trezentos e cinquenta mil kwanzas, sai sempre em prejuízo, em relação aos actuais níveis de captura.

Questionados sobre as razões da fraca captura, apontou questões ambientais e principalmente os navios arrastões, que continuam a pescar na zona destinada aos pescadores artesanais, dentro de duas a três milhas.

“Muitas vezes alertamos os fiscais, mas continuamos a assistir estas violações por parte de navios estrangeiros, às vezes de grande porte”, afirmou.

Albino Firmino manifestou a sua insatisfação, revelando que qualquer falha que os pescadores artesanais tiverem nas suas embarcações, chegam a pagar multas que podem ultrapassar os cem mil kwanzas.

Lamentou a falta de crédito para os pescadores artesanais,  bem como a existência de um organismo que apoie o sector no Lobito.

Garantiu que nunca beneficiaram do suporte  do Centro de Apoio à Pesca Artesanal, localizado na comuna do  Egipto, cuja missão, desde a sua inauguração, foi de apoiar também os pescadores do Lobito.

Os pescadores artesanais do Lobito usam, geralmente, a pesca de malhadeira, de arrasto e de cerco.

Mais de duzentos pescadores artesanais actuam actualmente no município do Lobito.

Fonte: Angop

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE-spot_img
0FãsCurtir
SeguidoresSeguir

MAIS LIDAS