Sexta-feira, Julho 19, 2024
spot_img
spot_img
spot_img
InícioInternacionalUnião Africana suspende Níger por causa de golpe militar de Julho mas...

União Africana suspende Níger por causa de golpe militar de Julho mas mostra reticências sobre intervenção externa para repor a constitucionalidade

A União Africana (UA) suspendeu, com efeito imediato, o Níger como represália pelo golpe militar de 26 de Julho e exige que os líderes do assalto ao poder em Niamey abdiquem de governar o país, repondo a ordem constitucional, deixando, porém, reticências explicitas sobre uma intervenção musculada externa para reconduzir o Presidente deposto.

Mohamed Bazoum foi deposto pelos militares golpistas a 26 de Julho e mantido encarcerado na Presidência, estando actualmente a ser acusado de traição à pátria pelos lideres do golpe, enquanto a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) está em conversações aceleradas entre os membros para obrigar à reposição pela força da ordem constitucional.

Enquanto não é decidida a data do avanço da força da CEDEAO sobre as fronteiras do Níger, a União Africana tem mostrado menos adesão a uma intervenção externa e as potências ocidentais com bases militares no país, os Estados Unidos e a França, também parecem estar em posições diferentes sobre essa intervenção por parte das tropas da África Ocidental.

Recorde-se que a CEDEAO anunciou a disponibilidade para intervir militarmente dias depois do golpe militar liderado pelo general Abdourahamane Tchiani, embora sem que tivesse sido tomada essa decisão definitiva devido à clara oposição de alguns dos Estados-membros e a forte dissuasão posta a circular pelos vizinhos Mali e Burquina Faso, onde decorreram igualmente golpes militares nos últimos dois anos, e da Argélia, cuja posição parece ter feito estancar o passo a alguns países mais inclinados para a acção, fortemente incentivada pela França.

O interesse da França – apesar de fortemente contestada nas ruas por milhares de jovens, muitos deles empunhando bandeiras da Rússia – numa intervenção militar para repor o regime de Bazoum é resultado directo dos interesses que Paris detém no Níger, especialmente nas minas de urânio que alimentam grande parte das suas centrais nucleares de produção de electricidade com combustível atómico.

Alias, o Níger é uma das peças de maior importância no seio da “franceafrique”, designação para a vasta geografia francófona do Sahel onde Pais mantém desde a década de 1960, após as independências, uma forte influência, tanto política como económica e militar.

Depois de ter “perdido” o Mali e o Burquina Faso, ou ainda a Guiné Conacry, igualmente para juntas militares, o Níger aparece como o derradeiro desafio a Paris e através do qual a França pare estar a querer estancar esta sangria.

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana, apesar de ter suspenso o país, na reunião que teve lugar esta terça-feira, 22, parece não estar disponível para alinhar com Paris nesta urgência de uma acção militar após o golpe de 26 de Julho.

Para já, tanto a União Africana como os EUA, que têm no país uma base que opera essencialmente drones, apontam como melhor caminho a negociação directa com os golpistas, sendo que a França, com mais de 1.500 soldados no Níger, e a CEDEAO parecem preferir uma intervenção e quanto antes.

Só que, se acontecer essa intervenção por parte da comunidade sub-regional, esta terá de explicar porque é que o faz agora com o Níger, um dos mais pobres países do mundo, com um Exército limitado no seu poderio militar, quando não o fez antes com o Mali, o Burquina ou a Guiné.

Alias, a CEDEAO, em 2016 deu um sinal ao mundo muito claro de que não iria tolerar mais golpes usando como exemplo a também frágil Gâmbia, quando o Presidente Yha Yha Jammeh se recusou a entregar o poder ao vencedor das eleições, Adama Barrow.

Para isso, enviou uma força robusta composta pelo exército senegalês e pela força aérea da Nigéria para as fronteiras da Gâmbia, ameaçando com uma invasão, o que levou, após pequenas escaramuças na fronteira com o Senegal, o Presidente Jammeh a abrir mão do poder de facto que já tinha perdido nas urnas.

Fonte: NJ

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE-spot_img
0FãsCurtir
SeguidoresSeguir

MAIS LIDAS