sábado, maio 18, 2024
Home > Internacional > Grupo Parlamentar da UNITA completa 90 assinaturas no processo parlamentar de destituição de João Lourenço do cargo de Presidente da República.

Grupo Parlamentar da UNITA completa 90 assinaturas no processo parlamentar de destituição de João Lourenço do cargo de Presidente da República.

Com a assinatura da totalidade dos seu 90 deputados, estão criadas as condições para o Grupo Parlamentar da UNITA enviar ao Parlamento o documento sobre a iniciativa política legislativa de destituição de João Lourenço do cargo de Presidente da República.

“Os deputados que estavam no exterior em tratamento e em missão de serviço já estão no País e já assinaram o documento sobre a iniciativa política legislativa de destituição de João Lourenço do cargo de Presidente da República”, disse esta terça-feira, 29, a vice-presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, Navita Ngolo, frisando que a qualquer momento vão comunicar o envio da documentação ao Parlamento.

Para assinar o documento sobre a iniciativa política legislativa de destituição de João Lourenço do cargo de Presidente da República, faltavam os deputados Manuel Domingos da Fonseca, Francisco Viana e Paulo Faria.

Refira-se que o Grupo Parlamentar da UNITA apresentou recentemente uma iniciativa de destituição do Presidente João Lourenço, por alegadamente ter subvertido o processo democrático no país e consolidar um regime autoritário que atenta contra a paz.

“A sua rejeição pela Nação traduz-se na mais elevada taxa de reprovação já verificada em tempo de paz”, refere o Grupo Parlamentar da UNITA.

Segundo o Grupo Parlamentar da UNITA, o sentimento geral dos cidadãos é de que o Presidente da República traiu o juramento que fez, perdeu absolutamente a confiança dos eleitores e, por isso, “deve ser destituído do cargo”.

A UNITA recorda que João Lourenço, durante a sua posse, em 15 de Setembro de 2022, jurou desempenhar com dedicação as funções de que foi investido, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República de Angola e as leis e defender a independência, a soberania e a unidade da nação.

Volvidos nove meses, na opinião da UNITA, o Presidente angolano “subverteu o processo democrático” e consolidou no País “um regime autoritário que atenta contra a paz e contra os direitos fundamentais dos angolanos”.

Fonte: NJ

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial