terça-feira, maio 21, 2024
Home > Politica > Líder da UNITA lamenta que depois de 20 anos de paz em Angola ainda se radicalize representatividade no Parlamento

Líder da UNITA lamenta que depois de 20 anos de paz em Angola ainda se radicalize representatividade no Parlamento

O presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, disse ser “muito negativo” que depois de 20 anos de paz em Angola, ainda se radicalize a representatividade no parlamento, procurando hegemonia de ocupação de lugares na Assembleia Nacional.

“Lamento muito que estas questões ainda ocorram no nosso cenário político”, disse ao Novo Jornal o líder da UNITA quando questionado sobre o processo que deu entrada no Tribunal Constitucional (TC) interposto pela UNITA quanto à resolução através da qual foi eleito um deputado do Grupo Parlamentar do MPLA para segundo vice-presidente da Assembleia Nacional.

“Eu espero que o Tribunal Constitucional seja rápido a trazer justiça e também a dar um sinal de regularização do ambiente de tolerância, de respeito, de diálogo, e de respeito pelas Leis”, acrescentou.

Sobre este impasse no Parlamento, Adalberto Costa Júnior (ACJ) lembrou que esta é uma matéria que deveria ter uma prioridade na sua avaliação, porque diz respeito à constituição da mesa da Assembleia Nacional.

“Estando a Assembleia Nacional em funcionamento sem a mesa estar constituída, há uma enorme penalidade naquilo que é o próprio espaço de representatividade”, referiu.

Na sua opinião, o Tribunal Constitucional está perante uma circunstância em que deve fazer justiça o mais rápido possível.

“A UNITA teve 70 deputados em 1992 e estes deram lugar à escolha do segundo vice-presidente da Assembleia Nacional. Com 90 deputados que temos agora, isso não está a acontecer”, sublinhou, frisando que este é um problema das lideranças e da falta de abertura.

“Não há motivos para que este incidente tivesse ocorrido e isto é muito negativo”, referiu

No âmbito da concertação entre as principais forças políticas do País no Parlamento, decidiram que o MPLA teria o direito a escolher o presidente da Assembleia Nacional, o vice-presidente e o terceiro vice-presidente, ao passo que a UNITA ficaria com o segundo e o quarto vice-presidentes.

Apesar deste acordo, o MPLA mantém a sua posição em decidir quem vai ocupar os cargos de vice-presidente e segundo vice-presidente, Américo Kounonoca e Raul Lima, respectivamente.

A eleição do segundo vice-presidente do Parlamento angolano, indicado pelo MPLA, motivou o abandono em bloco da sala do plenário da Assembleia Nacional por parte dos deputados da UNITA, em Outubro, que alegaram que o partido no poder havia “quebrado o compromisso político”.

Questionado sobre a proposta de Lei da amnistia aprovada recentemente em Conselho de Ministros, ACJ disse que é normal, pois isso acontece com a aproximação das datas históricas, no caso o 11 de Novembro, que vai acontecer esta sexta-feira.

“Eu penso que esse indulto se enquadra nas circunstâncias usuais. Hoje, em Angola, os ladrões de galinhas andam presos e os verdadeiros criminosos andam à solta”, lamentou, frisando que “é uma boa oportunidade de se olhar para a justiça pelo seu elemento e objectivo”.

“Nós temos em Angola, um verdadeiro drama. O drama da justiça”, concluiu.

Fonte: NJ

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial