sábado, maio 18, 2024
Home > Notícias > Comissária da UA aponta mudanças climáticas como “pandemia” para África

Comissária da UA aponta mudanças climáticas como “pandemia” para África

 A comissária da União Africana, Josefa Sacko, apontou esta segunda-feira, em Nairóbi, Quénia, às alterações climáticas como uma “pandemia “ e um stress a economia africana.

Estes eventos climáticos, de acordo com a comissária, têm feito com que os governos africanos abandonem os processos de desenvolvimento e concentram os seus recursos para responder aos desastres, construindo resiliências.

Intervindo na cerimónia   de abertura da plenária do segmento ministerial da Cimeira Africana do Clima, fez menção que muitos governos africanos usam cerca de 2% dos seus fundos para investir em desastres climáticos e projectos de adaptação no continente.

Josefa Sacko, que responde pela pasta da agricultura, desenvolvimento rural, economia azul e ambiente na União Africana, avançou ainda que alterações climáticas estão causar também perdas económicas na ordem de 5% do produto interno bruto (PIB) anual  no continente.

“ Os custos das alterações climáticas em África  são muito altos ”,  afirmou.

Diante dos mais diferentes representes africanos e estrangeiros, a comissária falou da promessa dos 100 biliões de dólares norte-americanos feita pelos países desenvolvidos, cujo Acordo, o de Paris,  expira passados os cinco anos. 

Diante dos desafios, disse que o principal objectivo da Cimeira é impulsionar o esforço colectivo sobre às alterações climáticas e a sustentabilidade.

“Juntos pretendemos elevar o discurso em torno das mudanças climáticas e reunir apoio para uma arquitectura financeira que seja especificamente adaptada para África, tendo também em mente a resiliência e sobrevivência dos recursos abundantes do continente à medida  que acelera a transição para a economia resiliente às alterações climáticas”, sublinhou.

A agenda do evento, inclui a discussão, entre outras, questões relacionadas com a expansão do financiamento climático de elevado impacto em África, no quadro dos mercados de carbono para o Hemisfério Sul, as oportunidades de investimento para a transformação dos sistemas alimentares do continente, tendo em conta o potencial de continente berço em termos de minerais, produção e comércio.

De acordo com a agenda, os ministros vão  também abordar a aceleração dos investimentos no sector das águas  resilientes às alterações climáticas, um dossier que poderá  conduzir a pactos de investimento para a adaptação ao clima.

O sistema de aviso prévio, no âmbito do clima, paz, segurança e mobilidade faz parte, de igual modo, da agenda da plenária ministerial deste dia.

O diagnóstico interferacional com a juventude em África, também consta na agenda das prioridades. 

Sob o lema “ Impulsionando o crescimento verde e soluções de financiamento climático para África e o mundo”, o Fórum também vai centrar-se na apresentação de soluções inovadoras de crescimento verde e de financiamento do clima em África e no mundo.

Para o efeito, juntam-se ao colectivo representantes do Grupo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e do Banco Mundial (BM), parceiros regionais e globais desta Cimeira, respectivamente

Fonte: Angop

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial