quinta-feira, junho 20, 2024
Home > Economia > Inflação em Angola pode ficar acima dos 20% no final do ano, estima BFA

Inflação em Angola pode ficar acima dos 20% no final do ano, estima BFA

A inflação pode ficar acima de 20% no final do ano se o kwanza não recuperar e não forem adoptadas políticas monetárias mais restritivas, estimam os analistas do Banco de Fomento Angola (BFA).

Numa nota enviada aos clientes, a que a Lusa teve acesso, o gabinete de estudos económicos do BFA salienta que o aumento dos preços em agosto não derivou unicamente de factores sazonais, apontando a variação dos preços alimentares, prevendo que o trajecto da inflação mensal e homóloga se mantenha ascendente nos próximos meses.

Na última reunião do Comité de Política Monetária (CPM), realizada no dia 15 de setembro, o Banco Nacional de Angola (BNA) decidiu manter inalteradas as taxas de juro directoras, atribuindo a variação de preços a factores sazonais e insuficiência da oferta de bens e serviços.

A inflação homóloga acelerou em agosto para 13,53%, pela quarta vez consecutiva, alcançando níveis próximos dos máximos de dezembro de 2022 (3,86%), enquanto a inflação mensal alcançou os 2,04%, o nível mais alto desde dezembro de 2021.

“Acreditamos que a inflação homóloga terminará o ano rondando os 20% ou acima caso não haja alguma recuperação do kwanza e também um forte aperto da política monetária tendo em conta que com os actuais dados relativos ao mercado monetário o BNA deixou de tornar restritiva a política monetária”, refere a nota do BNA.

Os analistas prevêem que a inflação poderá estar acima da meta de curto-prazo definida pelo BNA, entre 12-14%, já no mês de setembro, influenciada pela inexistência de uma inversão da taxa de câmbio.

“Assim, esperamos que sejam utilizadas outras medidas de restrição da política monetária como por exemplo, o ajuste nos rácios das reservas obrigatórias e a continuação do aperto no uso das facilidades permanentes de liquidez”, adiantam.

“Observando as pressões inflacionárias dos últimos meses, acreditamos que o BNA deverá utilizar outros instrumentos de política monetária uma vez que as taxas de juro directoras já se encontram altas. Do lado do câmbio, num cenário em que não se verificar a inversão do seu movimento, é expectável que a política monetária volte a tornar-se “mais apertada”, de acordo com os economistas do BFA.

O mercado cambial não apresentou variações significativas, uma vez que a taxa de câmbio ronda os 825 kwanzas por dólar desde meados de julho, depois de a moeda angolana ter depreciado mais de 45% no semestre passado.

“No geral, acreditamos que o BNA não tem alterado os instrumentos de condução da política monetária por estar ainda a avaliar os efeitos das medidas passadas de modo a manter o equilíbrio no mercado monetário”, mas caso a inflação continue a subir, “o BNA deverá intervir de maneira mais forte no sentido de voltar a restringir a liquidez”, defendem os analistas.

Fonte: NJ

Please follow and like us:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial