terça-feira, abril 16, 2024
Home > Internacional > Chefe da polícia nos EUA torna-se professor do ensino médio após polémica

Chefe da polícia nos EUA torna-se professor do ensino médio após polémica

O município de Columbus obrigou Freddie Blackmon a reformar-se depois de 37 anos na polícia, no meio do descontentamento causado por uma onda de tiroteios na cidade.

Não é a primeira história de uma pessoa obrigada a mudar de carreira numa fase avançada da vida, nem será a última. Mas, desta vez, a Associated Press conta a história do antigo chefe da polícia da segunda maior cidade da Geórgia, nos Estados Unidos – que se tornou, entretanto, professor do ensino médico.

Freddie Blackmon, que foi chefe da polícia de Columbus até o conselho municipal lhe oferecer 400 mil dólares (mais de 365 mil euros) para se afastar do cargo em abril, está a lecionar a disciplina de estudos sociais na Fort Middle School, no distrito escolar do condado de Muscogee, informou o The Ledger-Enquirer.

Não se sabe ao certo como este homem obteve as qualificações necessárias para ser professor, mas o estado da Geórgia permite que as pessoas que obtiveram diplomas universitários noutras áreas ensinem enquanto frequentam aulas de educação para obterem uma licença permanente de professor.

A cidade obrigou Freddie Blackmon a reformar-se depois de 37 anos na polícia, no meio do descontentamento causado por uma onda de tiroteios na cidade, incluindo um em que nove jovens ficaram feridos numa estação de serviço, no passado 16 de fevereiro. O presidente da Câmara de Columbus, Skip Henderson, decidiu destituir o então chefe da polícia um dia após este ter apresentado um plano estratégico.

Este homem era chefe desde novembro de 2020, tornando-se o segundo chefe negro da cidade. O departamento policia todo o condado de Muscogee sob a estrutura consolidada de governo municipal e municipal de Columbus. Antes de concordar com a indemnização que recebeu, exigiu 850 mil dólares (mais de 777 mil euros) e ameaçou processar o município por discriminação racial.

Mais tarde, a cidade pagou 600 mil dólares (mais de 548 mil euros)  para resolver as queixas de que o chefe da polícia tinha discriminado racialmente dois agentes brancos ao não os promover.

Um dos agentes que recebeu dinheiro foi o tenente Ralph Dowe, presidente da secção local da Ordem Fraternal da Polícia. Ele teve um papel na expulsão de Blackmon, testemunhando perante o Conselho Municipal de Columbus em 2022 que uma pesquisa sindical mostrou que os oficiais não tinham confiança em Blackmon.

Fonte: NM

Please follow and like us:

Leave a Reply

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial